Excesso de treinamento ou Overtraining

Você está na categoria » Notícias
Excesso de treinamento ou Overtraining

A síndrome de overtraining é definida como uma resposta generalizada ao estresse em atletas, e caracterizada por fadiga persistente, perda de rendimento, alterações bioquímica e no estado de humor, entre outras psicológicas e devido, primariamente, ao aumento do volume e/ou à intensidade de treinamento.

A síndrome de overtraining é precedida por uma fase inicial, que tem sido denominada como overreaching, cujo os sintomas, apesar de similares são menos persistentes ( dias a semanas ), fato este que acarreta um período menor de recuperação.

O estado de overtraining apresenta-se como preocupação relevante para corredores de longa distância, e afeta 65% destes indivíduos em algum momento da sua vida esportiva.

Principais sintomas do overtraining e overreaching.

Problemas como insônia, pressão arterial alterada, irritabilidade, lesões agudas e crônicas, desequilíbrio do sistema hormonal e diminuição da performance são comuns em quem desenvolve a Síndrome. Veja outros desconfortos e enfermidades:

  • Ansiedade
  • Baixa imunidade
  • Cansaço anormal
  • Cefaleia
  • Dor muscular frequente
  • Elevação importante da frequência cardíaca em repouso (sinal típico)
  • Falta de apetite
  • Falta de vontade de malhar
  • Mudança de humor e depressão
  • Perda de força, condicionamento físico e resistência
  • Resfriados e contusões constantes
  • Sede anormal
  • Tremor nas mãos

O principal fator responsável pela síndrome do overtraining é a falta de períodos de recuperação suficiente  após as sessões de treinamento exaustivas.

A prevenção é mais critica do que seu tratamento, e pode ser adotada por meio de controle cuidadoso do estresse promovido pelo treinamento.

Três relevantes fatores destacam na prevenção:

  1. Programa de treinamento, que deve permitir adequada recuperação e prevenção de lesões e fadigas excessiva.
  2. Testes científicos com parâmetros capazes de detecta o estado de overtraining.
  3. Testes que permitam distinguir fadiga normal associada com o treinamento daquela associada com o overtraining.

 Processo de recuperação:

  1. Nutrição e hidratação. Uma dieta pouco nutritiva, com balanço energético negativo e insuficiente ingestão de líquido e, particularmente, pobre em carboidratos, diminuem a capacidade de tolerância ao estresse fisiológico ( treinamento ). Cada grama de glicogênio muscular é estocado juntamente com 3 g de água. Desse modo, a insuficiente ingestão de líquidos pode prejudicar a performance por meio meio do menor conteúdo de glicogênio estocado.
  2. Repouso e sono.
  3. Suporte emocional e relaxamento.
  4. Repouso ativo e alongamento. Repouso ativo significa treinamento de baixo volume e intensidade, que pode acelerar o processo de recuperação. O alongamento tem efeitos similares ao repouso ativo e massagem, pois aumenta o fluxo sanguíneo para o músculo.

O estimulo necessário para a indução de overtraining não pode ser definido com exatidão devido à sua gênese multifatorial.

Como recomendação final deixo o conselho de fazer o acompanhamento com um bom educador físico e com o médico de sua confiança.


Contato: (63) 3214-5536.      

Por: Ronis Silva CRM-TO 2787.